FUNDOS DE INVESTIMENTO

FUNDOS DE INVESTIMENTO PARA GOLDEN VISA

Um investimento de 500.000 euros em fundos de investimento ou fundos de capital de risco é um dos oito tipos de investimento qualificado previstos para um pedido de Visto de Ouro. Um fundo de investimento é um tipo de investimento colectivo ao abrigo do qual todos os participantes do fundo investem dinheiro em conjunto em acções ou outros investimentos de capital.

A intenção dos fundos é a capitalização, inovação e desenvolvimento de Portugal e os investimentos são estabelecidos ao abrigo da lei portuguesa. Por conseguinte, os fundos têm de ter uma maturidade no momento do investimento de pelo menos cinco anos e pelo menos 60% do valor dos investimentos tem de ser feito em empresas comerciais sediadas em Portugal. Os fundos de investimento são geridos pelas chamadas sociedades gestoras de fundos de investimento e são regulados pelo Conselho Português do Mercado de Capitais – CMVM. Os fundos são também geridos, auditados, e avaliados por empresas independentes e licenciadas, proporcionando segurança e transparência adicionais ao investidor.

Para poder beneficiar de uma autorização de residência temporária, o investidor deve realizar e manter, durante um período mínimo de 5 anos, uma actividade de investimento. As actividades de investimento que podem dar ao investidor o direito a uma autorização de residência temporária estão previstas na lei aplicável. A actividade de investimento pode ser realizada directamente pelo requerente ou através de uma única sociedade de responsabilidade limitada constituída em Portugal (ou noutro Estado-Membro da UE, desde que tenha um estabelecimento permanente em Portugal).

Todos os fundos são regulados pelas autoridades portuguesas (Comissão do Mercado de Valores Mobiliários – CMVM, Banco de Portugal, o Gestor de Fundos externo, e as Autoridades Fiscais). Os fundos regulamentados devem assegurar transparência, mitigação de riscos e controlo, bem como contas regularmente auditadas. Alguns fundos são apoiados pelo governo português através de subsídios ou financiados pela IFD (Instituição Financeira de Desenvolvimento).

Prós e contras dos fundos para o Visto de Ouro

Quais são os benefícios/vantagens dos fundos de investimento?

  • Investir em fundos é relativamente fácil, embora os candidatos devam investir tempo suficiente para encontrar a solução certa para eles. Nem todos os fundos são iguais. Os agentes normalmente também pedem uma taxa para avaliar os fundos de cerca de 2000 euros.
  • Para os não residentes, os dividendos dos fundos estão isentos de imposto sobre o rendimento (mesmo com retenção na fonte) e as mais-valias de resgate de unidades de participação ou liquidação de fundos estão isentas de imposto sobre o rendimento em Portugal. Mas é necessário pagar uma taxa inicial de até 5% para se inscrever no fundo à sociedade gestora.
  • O regulamento assegura que os investidores podem sempre revender as suas unidades de participação a outros investidores, converter as unidades de participação em activos imobiliários apoiados pelo fundo, ou simplesmente sair do fundo.
  • Ao escolher uma boa equipa de gestão de investimentos responsável por um fundo, as oportunidades do mercado de outro modo inacessíveis para o investidor estrangeiro são mais facilmente capturadas.

Quais são as vantagens/desvantagens dos fundos de investimento?

  • O lucro garantido ou é baixo ou inexistente.
  • É necessário ter os fundos por um tempo mínimo, independentemente do pedido do Visto de Ouro. Muitas vezes, estes prazos mínimos são de cerca de 7-10 anos.
  • O investimento mínimo é de 350k euros, enquanto que o investimento em propriedades o montante mínimo começa a partir de 280k euros. Não se pagam impostos, mas pagam-se muitas taxas: – taxa de gestão até 3%. – taxa adiantada até 5% – taxa de desempenho até 2% – ou outras taxas como a taxa de custódia/agente que variam até 1%.
  • As soluções de co-investimento não estão disponíveis/aplicáveis aos fundos Golden Visa.
  • Embora os gestores de fundos digam que o imobiliário não é a melhor opção, a maioria dos fundos investe em todo o tipo de actividades imobiliárias. Se for esse o caso, porque não investir directamente em bens imobiliários?

Como posso avaliar um fundo de investimento?

Após definir o objectivo de investimento, a preferência individual pelo risco e o período de investimento, a selecção de um produto de investimento adequado requer também a consideração de outros factores importantes. Por exemplo, os aspectos legais e fiscais devem ser observados no caso de fundos com residência no estrangeiro. Também deve ser esclarecido o quão elevados são os custos da avaliação.

O triângulo de selecção de fundos bem sucedidos é:

  • Desempenho;
  • Risco;
  • Custos.

Que informações devem ser consideradas para caracterizar o Investidor?

  • Idade;
  • Qualificações;
  • Maior ou menor aversão ao risco;
  • Disponibilidade para compromissos a curto, médio ou longo prazo;
  • Conhecimento dos produtos financeiros.

Que tipos de perfis de risco existem?

Não existe legislação relativa aos diferentes perfis de risco de investimento. No entanto, as designações mais comuns são:

  • Conservador ou prudente (rota de fundos adequada para o Golden Visa);
  • Equilibrado ou moderado (rota de fundos adequada para o Visto Dourado);
  • Negrito ou agressivo (rota de fundos não adequada para o Visto Dourado).

Fonte: Fundos de vista geral Janeiro 2021

Como posso investir?

  • O candidato ao Visto de Ouro decide sobre o plano de investimento;
  • O candidato ao Visto de Ouro abre uma conta bancária em Portugal;
  • O candidato ao Visto Dourado assina os documentos do fundo;
  • Três documentos serão necessários neste momento: – Dois documentos bancários: a) prova da transferência internacional para o banco e b) prova de pagamento do fundo. Ambos os documentos serão fornecidos pelo banco; – Um documento de fundo (prova de aquisição de um fundo específico) emitido pelo gestor do fundo;
  • Com os três documentos, o seu advogado pode continuar o processo de GV.
  • O candidato candidata-se ao Visto de Ouro e mantém o investimento durante 6 anos.

Onde devo rever os fundos?

As fontes de informação preferidas dependem das necessidades e interesses de informação do investidor, bem como do tipo e montante do investimento. Para uma carteira de fundos geridos activamente com fundos de acções, existe certamente uma maior necessidade de informação do que para um plano de poupança a longo prazo com fundos de obrigações. Aqui estão as seguintes fontes de informação:

  • O valor das posições individuais dos títulos é indicado no extracto de conta mensal, trimestral ou anualmente. Para compras e vendas durante o ano, os movimentos de conta também devem ser tidos em consideração no cálculo do desempenho.
  • Os gráficos de desempenho dos fundos podem ser consultados a partir das bases de dados dos fundos. Isto requer a introdução do ISIN exacto do fundo (ver por exemplo: www.e-funddata.com com dados sobre o desempenho, riscos ou custos dos fundos nos últimos anos).
  • As fichas técnicas e fichas de produtos das empresas do fundo mostram a evolução do valor dos fundos, incluindo mais dados sobre a estrutura da carteira, risco e gestão do fundo, etc. Estas fichas de informação estão disponíveis nos sítios web das empresas do fundo. Uma lista de todas as empresas de fundos austríacas pode ser encontrada aqui, uma visão geral de todas as empresas de fundos estrangeiras que estão activas na Áustria.
  • Para os investidores que estão particularmente interessados numa estrutura detalhada da carteira do fundo, os relatórios semestrais e anuais são a fonte de informação mais importante. Os prospectos de venda e, sobretudo, os prospectos simplificados são uma fonte de informação muito importante e útil antes da compra de um fundo. Isto porque a informação sobre custos (TER – Total Expense Ratio) e volume de negócios (PTR – Portfolio Turnover Ratio) dos fundos pode ser encontrada aqui.
  • As notícias sobre fundos de investimento são uma plataforma de informação online especializada e meios de comunicação impressos.

Os cidadãos dos EUA podem candidatar-se a fundos de investimento?

Em 2016, uma resolução da Assembleia da República em Portugal aprovou o acordo com os Estados Unidos para reforçar o cumprimento fiscal e implementar o Foreign Account Tax Compliance Act (FATCA). Com a entrada em vigor da FATCA norte-americana, todas as entidades financeiras estrangeiras são obrigadas a identificar as contas dos seus clientes norte-americanos (US Persons).

A lei exige que as instituições financeiras estrangeiras e outras entidades estrangeiras não financeiras informem sobre os activos estrangeiros detidos pelos seus titulares de contas nos EUA ou sejam sujeitas a retenção na fonte com pagamentos passíveis de retenção. A lei também continha legislação que exigia que as pessoas norte-americanas reportassem, dependendo do valor, as suas contas financeiras estrangeiras e os seus activos estrangeiros.

Para este efeito, as pessoas norte-americanas são consideradas como cidadãos americanos ou residentes nos EUA.

Existem fundos qualificados que tratarão dos requisitos de prestação de contas do governo dos EUA. Uma vez que os advogados apresentem um relatório, as pessoas norte-americanas podem então fazer os seus investimentos.

Qual é a estrutura de taxas para os fundos?

A tradicional estrutura de taxas de fundos chama-se “Dois e Vinte” (2/20), que consiste numa taxa de gestão de 2% e numa taxa de desempenho de 20%. A taxa de gestão é uma taxa fixa cobrada sobre o total dos activos sob gestão (AUM) do fundo e é ostensivamente alavancada para manter os custos de funcionamento do fundo. A comissão de desempenho, por outro lado, é cobrada sobre os lucros realizados pelo fundo e é utilizada para recompensar os gestores e concessionários do fundo, com bónus pelo desempenho superior ao do mercado. A justificação comummente postulada para a estrutura de taxas Dois e Vinte é que ela atinge um equilíbrio delicado entre a salvaguarda da sustentabilidade financeira da empresa gestora do fundo e, ao mesmo tempo, a criação de incentivos para os gestores de fundos fornecerem rendimentos absolutos sólidos.

Uma taxa de gestão fixa de 2% assegura que o fundo pode sobreviver a uma recessão económica se for negativamente exposto a activos pró-cíclicos, enquanto a taxa de desempenho de 20% assegura que o fundo tem sempre um incentivo para proporcionar retornos absolutos e não apenas relativos ao investimento. Se os gestores do fundo forem capazes de gerar lucros extraordinários como resultado, então o pagamento de comissões de desempenho aos gestores de investimento pode ser um preço que vale a pena pagar.

Taxa de desempenho

A indústria de fundos é recompensada com a ideia de que os gestores de fundos podem utilizar os seus conselhos de investimento superiores para gerar retornos extraordinários para os investidores e, por sua vez, ser recompensados com taxas elevadas pela sua competência. Por conseguinte, não é exagero dizer que a estrutura de comissões do fundo deve ser tratada em pé de igualdade com o desempenho dos fundos. Os investidores devem considerar ambos ao tomarem decisões sobre onde atribuir o seu capital precioso.

Estruturas de Taxas Alternativas

Embora o corte da taxa torne os fundos tradicionais mais atractivos para os investidores, estruturas de taxas sofisticadas que ligam a compensação mais próxima do desempenho, oferecem um mecanismo alternativo para melhorar as condições dos investidores. Por exemplo, muitos fundos empregam uma “marca de água elevada” para assegurar que os gestores de fundos não sejam pagos em excesso nas comissões de desempenho como resultado da depreciação seguida de uma apreciação compensatória do valor patrimonial líquido (NAV) do fundo. Sem uma marca de água elevada, os gestores de fundos ganhariam comissões de desempenho duas vezes sobre o mesmo aumento geral do valor do activo – o que é conhecido como “double-dipping” – o que é considerado por muitos investidores como uma situação injusta. Isto é normalmente combinado com um mecanismo contabilístico complexo chamado “equalização”, que assegura que todos os investidores mantenham o mesmo NAV por acção. Por outras palavras, a equalização relativiza a marca de água elevada para cada investidor, impedindo que novos investidores tirem partido do pagamento de taxas de desempenho devido a uma marca de água de pré-investimento elevada.

Além disso, um número crescente de fundos utiliza obstáculos para assegurar que os gestores de fundos não sejam recompensados por um desempenho que não exceda o que poderia ter sido alcançado através de uma estratégia de investimento passivo. O obstáculo pode ser cobrado a uma taxa fixa ou ligado a um índice de mercado apropriado e é utilizado para descontar a taxa de desempenho de modo a que os gestores de fundos sejam recompensados apenas pelo desempenho superior do mercado. Enquanto para “obstáculos suaves”, as comissões de desempenho são cobradas sobre o rendimento total do fundo (dado que a comissão mínima é excedida) para “obstáculos difíceis”, os gestores de fundos só ganham comissões sobre rendimentos que excedam a taxa de referência.

Qual é a diferença: fundos abertos versus fundos fechados?

Uma dessas decisões fundamentais, embora por vezes ignoradas, é a escolha entre a utilização de uma estrutura de fundos aberta ou fechada. A diferença fundamental entre um fundo aberto e um fechado diz respeito às restrições de liquidez para que os investidores possam resgatar as suas subscrições. Para fundos abertos, os investidores têm a opção de resgatar parcial ou totalmente as suas subscrições em cada Dia de Resgate, sujeito aos termos de resgate atribuídos no documento de oferta do Fundo. Por outras palavras, se os investidores decidirem resgatar as suas acções no Fundo, o fundo é obrigado a recomprar essas acções a um preço igual ao VPL por acção no respectivo Dia de Resgate.

Os fundos fechados, por outro lado, não fornecem qualquer mecanismo interno para os investidores resgatarem as suas subscrições. As subscrições dos investidores estão ligadas à vida do fundo, a menos que os investidores possam encontrar um comprador para as suas acções no mercado secundário. Se os investidores não quiserem ou não puderem vender as suas quotas no fundo, os investidores não receberão o valor das suas quotas até ao momento em que o gestor do fundo decidir: por vezes, não na medida em que o fundo deixe de liquidar.

Devo preocupar-me com bens líquidos ou ilíquidos?

Sim! As restrições de liquidez sobre o resgate das acções dos investidores no Fundo tendem a reflectir restrições de liquidez sobre os activos subjacentes dos Fundos. Se o Fundo quiser investir em activos ilíquidos, tais como imóveis, empresas não cotadas e outras alternativas, então é provável que o Fundo tenha de colocar restrições à capacidade dos investidores para resgatar as suas acções. Caso contrário, o Fundo poderá não conseguir satisfazer os pedidos de resgate dos investidores devido à sua incapacidade de realizar o valor justo dos seus investimentos ilíquidos num curto período de tempo – o que por vezes é referido como “défice de liquidez”. Isto também protege os investidores que não estão em falta, assegurando que os investidores que não estão em falta não subsidiem implicitamente os investidores em falta em resultado de a liquidez do Fundo estar comprometida por pedidos de resgate excessivos de investidores.

Restrições alternativas de liquidez

As restrições gerais aos pedidos de resgate dos investidores representam uma limitação expressa à capacidade dos investidores de resgatar à vontade, pelo que os gestores de fundos só devem aceitar tais restrições quando existem restrições à liquidez dos activos subjacentes dos Fundos. No entanto, os fundos disponíveis podem ainda incluir certas disposições para gerir a liquidez das acções dos investidores, tais como botões laterais, bloqueios e portões. As bolsas laterais permitem aos fundos separar os investimentos líquidos dos ilíquidos, de modo a que os investimentos ilíquidos sejam editados numa classe separada de acções, das quais os investidores incorporam uma acção pro-rata. As acções da nova classe de bolsas laterais só podem ser resgatadas quando os activos ilíquidos podem ser avaliados com precisão, ou o que melhora os problemas de liquidez decorrentes do resgate das suas acções pelos investidores, durante períodos em que o fundo não pode realizar o valor total dos seus investimentos ilíquidos.

Alternativamente, períodos de bloqueio podem ser utilizados dentro de uma classe de acções activas para evitar resgates dentro de um determinado período de tempo. Se os investidores criarem resgatando o seu investimento durante o período de bloqueio, devem pagar uma taxa de resgate substancial que desencoraje os resgates dos investidores até que o período de bloqueio termine. Os portões, por outro lado, permitem aos gestores de fundos suspender os resgates dos investidores quando existem fontes líquidas significativas do fundo para manter a liquidez dos activos dos fundos. Como resultado, uma grande variedade de mecanismos de liquidez disponíveis para os gestores de fundos garante que a gestão de liquidez não se enquadre apenas no domínio da gestão de carteiras, mas também na estrutura legal do fundo. medida que os investimentos alternativos ganham cada vez mais popularidade junto dos gestores de fundos em todo o mundo, a compreensão das estruturas de fundos brancos fornecidos e fechados apenas cresce em importância.

Que tipo de fundos existem?

a) Fundos especificamente concebidos para Investidores com Vistos de Ouro

Estes fundos são exclusivamente destinados aos investidores do Golden Visa. Normalmente oferecem a opção de ter uma duração correspondente ou a opção de levantamento mais cedo e aceitam investimentos de 350K euros. Os fundos são normalmente organizados para o mercado imobiliário e comportam um risco baixo a médio, com rendimentos baixos a médios esperados. Estes fundos estão frequentemente concentrados na preservação do capital dos investidores e no pagamento de algum tipo de dividendos anuais.

b) Fundos Tradicionais de Capital de Risco

Estes fundos são normalmente investidos em empresas de tecnologia em fase inicial a média, com crescimento global previsto. Por vezes há investimentos mínimos mais elevados do que o limiar de 350K euros, com um fundo com uma duração fixa de mais de 10 anos. Há um risco mais elevado, mas também recompensas potenciais mais elevadas. O objectivo é maximizar os ganhos de capital à saída, sem pagamento anual de dividendos.

c) Fundos Tradicionais de Private Equity

Estes fundos são tipicamente investidos em mercados ou entidades financeiras mais tradicionais, por vezes com um enfoque nos dividendos anuais. Pode haver um investimento mínimo mais elevado do que o limiar de 500K euros, com a duração do fundo a subir para mais de 10 anos, com um risco frequentemente médio a elevado esperando recompensas em conformidade.

Agende já uma consulta gratuita com um dos nossos peritos!

How can we help you?

Send us a message

Como o podemos ajudar?

Envie-nos uma mensagem

não perca ofertas ou notícias!

Subscreva a nossa newsletter e não perca as últimas notícias e ofertas!