Alojamento local

Se comprar uma casa em Portugal que não vai utilizar como residência principal, pelo menos não a curto prazo, poderá querer agarrar a oportunidade de obter um retorno do seu investimento, alugando-a aos turistas.

Portugal é um dos destinos turísticos mais procurados na Europa, gerando muitas oportunidades de negócio. A sua paisagem diversificada vai desde o norte montanhoso até ao quente e planície sul, forrado por longas praias douradas no Algarve e inclui as paradisíacas ilhas intactas do arquipélago dos Açores e as ensolaradas e coloridas ilhas da Madeira. Nas suas cidades, entre as mais seguras para visitar, os turistas podem sentir a genuína hospitalidade portuguesa e experimentar o sabor de uma gastronomia deliciosa e vinhos surpreendentemente únicos. É um país que mistura perfeitamente o seu rico legado e património histórico com a oferta de todos os serviços modernos que um visitante bem viajado pode desejar.

Mudanças ALOJAMENTO LOCAL 2022

Uma informação importante à partida. O Supremo Tribunal de Justiça (STJ) decidiu em Abril de 2022 que as casas multi-familiares não podem ter alojamento local (alojamento local), o que poderia levar ao desaparecimento de parte da actividade existente. Há também dúvidas se as autoridades locais continuarão a poder conceder novas licenças de construção de habitações em edifícios onde o título de construção é o de uma habitação permanente.

A partir de agora, de acordo com a decisão, qualquer proprietário de condomínio pode exigir o fim deste tipo de actividade no edifício onde vive, independentemente de o alojamento local estar a funcionar há anos. Espera-se que haja muitos processos judiciais solicitando a ilegalidade da prática nas chamadas propriedades horizontais (casas multifamiliares) e o Governo já está a analisar o impacto desta decisão no sector, uma vez que as leis actuais não são claras e há necessidade de clarificação. Assim, se estiver a considerar a compra de um único apartamento para fins de alojamento local, deverá verificar a decisão de condomínio, bem como a prática da câmara municipal local na emissão de novas licenças.

O QUE É O ALOJAMENTO LOCAL?

Alojamento Local ou AL (que se traduz literalmente por “Alojamento Local”) são estabelecimentos em Portugal que prestam serviços de alojamento temporário, nomeadamente a turistas, mediante remuneração, desde que não satisfaçam os requisitos para serem considerados estâncias turísticas. Em termos simples, corresponde à utilização comercial de uma pequena propriedade para alugueres de curta duração a turistas, na sua maioria por pessoas naturais da região.

Quando se compra uma propriedade em Portugal para a alugar a turistas, há muitas opções, uma vez que o turismo está bem estabelecido na maioria das partes do país. A costa atlântica, Porto, Lisboa, ou Algarve são sempre boas escolhas.

A fim de ter uma melhor sensação para todo o país, analisámos as ofertas actuais de aluguer a curto prazo em plataformas como a Airbnb, Booking, etc. Não analisámos as capacidades e classificações dos hotéis. A análise teve em consideração dois factores:

  • quantas ofertas estão disponíveis num determinado município;
  • quantas classificações têm as ofertas?

A hipótese por detrás do segundo factor é que o número real de reservas está correlacionado com o número de classificações. Quase metade (47%) de todos os utilizadores da Internet em todo o mundo dizem que publicam mensalmente as suas avaliações sobre um produto, empresa ou serviço (GlobalWebIndex, 2019). Criámos uma matriz baseada no conceito BCG com 9 campos. Cada factor foi separado em 3 secções com base em pontos de corte estatísticos.

Acreditamos que a matriz é uma boa ferramenta para ajudar a avaliar áreas que são fortes na procura e oferta de ofertas de curto prazo, bem como identificar áreas que têm procura mas que ainda estão menos desenvolvidas em ofertas. A análise está orientada para o passado, uma vez que as ofertas já se encontram no mercado e as classificações já foram feitas. A procura e a oferta podem mudar em todas as áreas, que é a informação que também iremos incluir nos próximos trabalhos.

Se tiver quaisquer perguntas, dúvidas, ou observações, por favor informe-nos. É favor notar que a matriz faz parte do quadro completo e não deve ser considerada como a única fonte de informação. Recomendamos sempre uma análise mais detalhada do mercado antes de tomar uma decisão de investimento. Temos todo o prazer em ajudar também nesta etapa.

High Supply
X
X
Low Supply
X
X
Low Demand X
X
High Demand








Com este mapa dinâmico, fornecemos-lhe uma visão geral de como todas as áreas em Portugal classificam quando se trata de alugueres lucrativos. Isto é, medimos os destinos mais procurados, bem como as áreas menos exploradas, onde se pode encontrar uma grande oferta de propriedades de aluguer e onde encontrar uma oferta baixa.

Qual é o objectivo? Bem, todos os anos Portugal recebe muitos turistas à procura de alojamento local ou de alugueres específicos a curto prazo. A procura tende a ser em torno das maiores cidades, onde a oferta de propriedades e alojamentos é mais elevada. Tem havido um aumento na procura de alugueres no campo ou no interior do país, onde a oferta de propriedades é ainda baixa.

Portanto, dependendo do seu objectivo, há muito espaço para investir aqui. Se pairar sobre Lisboa, notará que é colorido a azul escuro, o que indica que a cidade tem tanto uma grande procura de alugueres como uma grande oferta de imóveis para arrendamento. Por outro lado, se pairar sobre Miranda do Douro (Norte de Portugal), notará o azul mais claro, o que significa que a área tem uma oferta e procura baixas quando se trata de arrendamento.

alojamento local tipos de estabelecimentos

Os turistas que vêm a Portugal escolhem um tipo específico de AL para serem alojados em função dos seus objectivos de férias: pode ser o destino como um todo, a proximidade do centro histórico e da maioria dos restaurantes e locais de restauração apetecíveis, um local confortável e espaçoso para ficar, serviços e comodidades ou privacidade, entre outras coisas. A oferta portuguesa é vasta e contempla todo o tipo de necessidades e gostos.

Os estabelecimentos alojamento local são classificados de acordo com os tipos de unidades de alojamento e incluem:

  • Residências: a unidade de alojamento é um edifício autónomo de carácter unifamiliar;
  • Apartamentos: o alojamento é uma fracção autónoma de um edifício ou parte de um edifício urbano susceptível de utilização independente. A viabilidade do aluguer em apartamentos tem de ser verificada com o condomínio e a câmara municipal;
  • Estabelecimentos de alojamento (como albergues): as unidades de alojamento consistem em até 9 quartos (ou até 30 clientes), integrados numa fracção autónoma, num edifício urbano ou numa parte de um edifício urbano susceptível de utilização independente;
  • Quartos: o alojamento consiste num máximo de 3 quartos dentro da propriedade do proprietário.

Quais são os limites de capacidade dum alojamento local?

Os estabelecimentos AL podem ter uma capacidade máxima de 9 quartos e 30 utilizadores, com excepção dos albergues, que não têm limite de capacidade, e quartos, que só podem ser 3 na residência do proprietário.

Em termos de utilizadores, a capacidade do alojamento local é determinada pelas características/tamanho das habitações. Não pode exceder o número resultante da multiplicação do número de quartos por 2. No caso de apartamentos e casas, é possível acomodar 2 utilizadores adicionais na sala de estar. Em todos os tipos de habitação, desde que existam condições de vida, podem ser instaladas até 2 camas adicionais para crianças até aos 12 anos de idade.

Que preço deve cobrar pelo seu alojamento local?

Uma vez concluída a sua investigação inicial, terá uma ideia geral do preço a cobrar pelo seu alojamento local. O valor que estabelecer deve ter em conta dois factores importantes:

  • Estar dentro de uma gama de preços que possa competir com sucesso com outros alugueres de curto prazo na mesma categoria que a sua;
  • Não subestime a importância da sua oferta de valor único – seja um serviço excepcional, uma experiência inesquecível, ou um local e ambiente verdadeiramente únicos. O preço não é o único factor!
  • Estabeleça uma estratégia de preços e tarifas de alojamento sazonal.

Calcule um preço médio por noite que tenha em conta os custos fixos. Estabelecer uma estratégia de preços assegura que o seu alojamento local não será lançado no mercado a um preço inferior ao que deveria.

Estabeleça qual será a estação alta e a estação baixa, de acordo com o calendário e a procura das suas características específicas de localização AL (por exemplo, nas montanhas da Serra da Estrela, o Inverno é considerado uma estação alta porque a Serra é um destino de neve). Não se esqueça de verificar todos os dias festivos e feriados, não só em Portugal mas também no país de origem do seu cliente internacional. Ajuste as suas tarifas de acordo com estes factores.

Passos essenciais para iniciar um alojamento local em Portugal

  • Passo1: Confirmar se o edifício/casa está numa zona autorizada pelo alojamento local

Embora a AL tenha beneficiado Portugal ao impulsionar a renovação do centro histórico das cidades, também contribuiu para afastar muitos dos habitantes do bairro tradicional para a periferia, a fim de substituir as casas tradicionais alugadas para alojamentos AL.

Para preservar a realidade social dos bairros e favorecer o arrendamento acessível e o comércio de bairro, os municípios portugueses podem definir zonas de contenção, que são todas aquelas que excedem 25% das habitações disponíveis atribuídas à AL. Existem também zonas de suspensão temporária para áreas entre 10% e 20% das habitações disponíveis relacionadas com esta actividade.

Nestas zonas é estabelecido um limite no número de estabelecimentos AL – um único proprietário só pode operar um máximo de 7 alojamentos e as licenças correspondentes são pessoais e intransmissíveis.

Existem também zonas proibidas, o que significa que certos bairros não estão a conceder mais licenças para novas empresas alojamento local. Se o seu objectivo é comprar uma casa em Portugal para criar um alojamento local, deve realmente dirigir-se à Câmara Municipal para verificar a situação de concessão de licenças.

  • Passo 2: Saiba que a direcção do condomínio tem poder de decisão

Se quiser abrir um albergue AL num edifício em propriedade horizontal com fracções autónomas, com vários proprietários, só o pode fazer com a autorização dos outros condóminos. Noutros tipos de alojamento local, não é necessária autorização prévia. No entanto, se mais de metade dos condóminos (tendo em conta a quilometragem) se opuser ao alojamento, este pode ser fechado. Isto pode acontecer se houver provas à câmara municipal de “prática repetida e comprovada de actos que perturbem a utilização normal do edifício, bem como de actos que causem incómodo e afectem o resto do condomínio”.

  • Passo 3: Abrir uma actividade independente nas finanças

Após ter obtido o seu número de identificação fiscal português (NIF), deve dirigir-se ao portal da Autoridade Fiscal e Aduaneira Portuguesa (AT) ou a uma repartição fiscal para declarar a abertura da sua actividade como contratante independente (Atividade Independente). Embora o possa fazer online, recomendamos o registo no local, pois o processo online não é assim tão simples e muito provavelmente terá dúvidas que poderão ser respondidas no local. Tem duas opções relativamente às suas declarações de rendimentos e tributação:

  • Categoria B (trabalhadores por conta própria, empresas, e rendimentos profissionais): iniciar uma actividade com o código de actividade económica (CAE) 55201 – alojamento mobilado para turistas, ou CAE 55204 (outro alojamento de curta duração). Se o rendimento que aufere for até 200 000 euros, será enquadrado no regime fiscal simplificado. Se os rendimentos ultrapassarem esse montante, será obrigado a ter um sistema de contabilidade organizado, com um contabilista profissional.
  • Categoria F (rendimentos de propriedade): para efeitos fiscais, todos os seus rendimentos podem ser considerados ou, em alternativa, optar por tributar o imóvel a uma taxa de 28%.

Consoante a sua situação específica, a melhor opção pode não ser óbvia. Sugerimos que procure aconselhamento profissional de um contabilista para esta decisão, uma vez que ela terá impacto nas suas finanças.

  • Passo 4: Registar o alojamento local

O registo dos estabelecimentos AL é uma condição necessária e obrigatória para o seu funcionamento. O processo de registo começa com uma comunicação prévia com um prazo dirigido ao presidente da câmara municipal em cuja área administrativa se encontra o seu alojamento local.

Esta comunicação prévia deve incluir informações como o título válido de utilização do imóvel, o nome adoptado pelo estabelecimento AL, a sua modalidade e capacidade em quartos, camas, e utilizadores. Tem de incluir vários documentos, entre os quais um termo de responsabilidade, cópias do registo predial urbano, cópias da declaração de início de actividade do titular, actas da assembleia de condóminos atestando que autorizam a instalação (para albergues).

Pode proceder ao registo acedendo ao Balcão do Empreendedor (BdE), acessível através do Portal EPortugal, através do Portal do Turismo de Portugal no Registo Nacional de Turismo, ou mesmo acedendo aos sites dos municípios. No BdE, que tem uma versão em língua inglesa, encontrará uma lista de serviços em linha para facilitar todo o processo:

  • Registo de actividade (“Registo de Atividade”);
  • Cessação de actividade;
  • Alterações no registo;
  • Declaração de Estabelecimento Limpo & Seguro.

Ao clicar em “Alojamento local – registo da actividade” , terá acesso a uma página web na qual poderá efectuar o registo do seu alojamento local, começando por escolher a sua localização por região e município no mapa que aparece. Em seguida, a página apresentará informações sobre o mesmo:

  • A entidade responsável nesse local;
  • A emissão da licença;
  • Documentação necessária;
  • Custo e validade;

A partir daí, poderá passar pelo procedimento de registo de forma inteiramente electrónica, com certificação digital, por exemplo, pelo cartão de cidadão ou por um advogado, solicitador ou certificado digital notarial, entre outras formas disponíveis. Necessitará dos seguintes documentos:

  • Comprovação de que tem uma actividade aberta com CAE 55201 ou 55204;
  • Registo predial do imóvel;
  • Cartão de cidadão do proprietário do bem imóvel.

O procedimento de registo dá a cada pedido o número de registo do estabelecimento AL se a Câmara Municipal competente não se opuser (no prazo de 10 dias ou, no caso de um albergue, 20 dias). O número de registo funciona como o título válido. Com ele, é-lhe permitido iniciar a sua operação AL e publicitá-lo, inclusive em plataformas como a Airbnb e a Booking, que exigem esse número.

  • Passo 5: Subscrição do seguro obrigatório de responsabilidade civil

A lei portuguesa estabelece que quem quer que opere uma unidade AL é “solidariamente responsável com os hóspedes pelos danos causados por estes últimos ao edifício em que a unidade está instalada”. Assim, o responsável do estabelecimento é obrigado a subscrever uma apólice de seguro que cubra os riscos de incêndio e danos patrimoniais e não patrimoniais causados aos hóspedes e a terceiros.

O seguro deve ser contratado imediatamente e a sua inexistência pode levar ao cancelamento do registo, o que significa que a sua licença AL será revogada.

Esteja preparado para a inspecção do conselho municipal

No final do período de 30 dias após a notificação prévia com um prazo para o conselho municipal, há uma inspecção obrigatória do alojamento local para verificar o seu cumprimento de todos os requisitos. A entidade competente para o fazer é a câmara municipal. É também responsável, juntamente com a Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE, que significa Autoridade de Segurança Alimentar e Económica), pela supervisão do cumprimento de todo o regime legal. Se solicitado pela ASAE, o Turismo de Portugal pode também efectuar inspecções.

Aqui estão as obrigações legais que a AL deve fornecer aos seus convidados em cada visita, cujo cumprimento a inspecção verificará:

  • Extintor de incêndios;
  • Cobertor de incêndio;
  • Kit de primeiros socorros;
  • Explicação visível do número de emergência 112;
  • Informação sobre a disponibilidade do livro de reclamações (tanto em formato papel como digital) que deve ser fornecido sempre que solicitado por um utilizador. Trata-se de um livro emitido oficialmente, comprável em linha no website da Casa da Moeda, que o titular do AL deve manter durante um período mínimo de 3 anos num arquivo organizado;
  • Livro de instruções da Casa em 4 línguas (duas das quais em português e inglês), contendo informação sobre o mesmo:
    • Procedimentos de recolha e separação de resíduos;
    • Instruções sobre o funcionamento dos electrodomésticos;
    • Regras de não perturbação do bairro e dos vizinhos imediatos;
    • Qualquer informação sobre o condomínio e regras sobre como o espaço privado deve ser utilizado, bem como sobre como as áreas comuns devem ser utilizadas.
    • Contactos telefónicos e por correio electrónico da pessoa que opera o AL ou do seu agente.
  • Placa acrílica de identificação “AL” afixada (obrigatória para todas as categorias de AL excepto para residências).

Se a inspecção verificar que algum destes requisitos está em falta, o número de registo não poderá ser atribuído.

Requisitos gerais e de segurança de um alojamento local

Os estabelecimentos AL devem obedecer a certos requisitos legais:

  • Condições actuais de conservação e funcionamento das instalações e equipamentos;
  • Estão ligados à rede pública de abastecimento de água e de esgotos; Possuam água corrente quente e fria;
  • Tenham uma janela ou bALcony com comunicação directa para o exterior;
  • Estar equipado com mobiliário, equipamento e utensílios adequados;
  • Têm um sistema de vedação da entrada de luz exterior que assegura condições adequadas de ventilação e aeração;
  • Possuir portas equipadas com um sistema de segurança que garanta a privacidade dos utilizadores;
  • As instalações sanitárias devem ter um sistema de segurança que garanta a privacidade;
  • Satisfazer sempre as condições de higiene e limpeza.

Os estabelecimentos AL com capacidade igual ou inferior a 10 pessoas, devem também cumprir os requisitos de segurança, mas mais simples:

  • Extintor e cobertor de incêndio acessível aos utilizadores;
  • Equipamento de primeiros socorros acessível aos utilizadores;
  • Indicação do número nacional de emergência (112) num local visível para os utilizadores.

Se a capacidade exceder 10 pessoas, o alojamento local deve cumprir as regras contra incêndios de acordo com a legislação: DL N.º 220/2008 e Portaria N.º 1532/2008.

Deveres a desempenhar como proprietário operacional de alojamento local

  • Comunicar a entrada e saída de estrangeiros ao SEF

O Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) exige que os responsáveis pelos apartamentos e hotéis nacionais AL comuniquem os dados de todos os estrangeiros que os utilizam – a pessoa que faz a reserva e os outros hóspedes. Os dados exigidos são:

  • Nome;
  • Número do cartão de identificação;
  • NACIONALIDADE;
  • Cidade em que os hóspedes se encontravam antes de chegarem a esta propriedade;
  • Cidade para onde o hóspede vai.

Esta informação deve ser fornecida no prazo de 3 dias úteis após a entrada e saída do alojamento e enviada através do Sistema de Informação do Boletim de Alojamento. Também pode ser entregue pessoalmente nos serviços locais do SEF ou, em localidades onde não existam, entregue à Guarda Nacional Republicana (GNR) ou à Polícia de Segurança Pública (PSP).

É obrigatório que o estabelecimento de alojamento recolha e comunique os dados de todos os seus hóspedes e não só da pessoa que fez a reserva.

  • Cobrar impostos municipais

Algumas municipalidades portuguesas implementaram o Imposto Municipal de Turismo (Taxa Municipal Turística) sobre dormidas. É uma taxa cobrada a todos os hóspedes que permaneçam em empreendimentos turísticos ou AL nas cidades onde o imposto está em vigor. Adicionando à taxa de quarto, é cobrado um montante extra, por noite e por pessoa. O município é livre de estipular o montante a pagar, quem paga, quem está isento, e qual é o limite de pernoitas. Portanto, o valor unitário varia e pode ser consultado nos regulamentos de cada município.

Por exemplo, em Lisboa, é obrigatório cobrar uma taxa de ocupação nocturna de 2 euros por pessoa e estadia, excluindo crianças menores de 13 anos, por um máximo de 7 noites.

Que despesas AL são dedutíveis?

Se o bem for utilizado apenas parcialmente como AL, apenas 25% das despesas serão consideradas como deduções. As despesas dedutíveis incluem:

  • 4% do valor do bem imóvel
  • Seguros
  • Electricidade
  • Água
  • Gás
  • Limpeza
  • Comissões pagas a plataformas tais como AirBnB, Booking, ou HomeAway.

Como a legislação fiscal está frequentemente sujeita a alterações em Portugal, por favor verifique toda a informação relevante actualizada na altura em que decidir avançar com o seu negócio AL.

Orçamentar o aumento das taxas de condomínio

Um AL cujo estabelecimento esteja situado numa propriedade horizontal como um condomínio de apartamentos pode ter de pagar uma taxa de condomínio acrescida. Isto deve-se ao facto de a AL, juntamente com os seus hóspedes, contribuir para o desgaste do edifício em áreas comuns. A administração do condomínio pode cobrar-lhe um aumento nas suas taxas anuais que varia entre 15% e um máximo de 30%. Se pagar 100 euros em taxas de condomínio, com um aumento de 30%, a sua nova taxa será de 130 euros. Não tome como garantido o apoio do condomínio. Tome as medidas necessárias para que os seus hóspedes não perturbem os outros condóminos residentes no condomínio. Se houver interrupções frequentes para eles, a direcção pode votar para encerrar o seu alojamento local e enviar a decisão ao presidente da câmara e ao município, resultando no encerramento da sua lista durante um ano.

Obrigações fiscais do alojamento local

A partir do momento em que começa a operar os seus serviços AL, estas são as obrigações fiscais que terá de cumprir:

  • Emitir recibos de facturas (recibos verdes) através do Portal AT ou passar facturas. Se escolher facturas, pode utilizar um programa informático certificado pela AT ou imprimir as facturas numa tipografia certificada.
  • Pagar o imposto sobre o valor acrescentado (IVA): se o seu rendimento anual for superior ao montante de 10.000 euros, está isento desta obrigação. Uma vez ultrapassado este valor, é-lhe exigido o pagamento de um imposto de 6% sobre os montantes facturados. Neste caso, deve apresentar a declaração de imposto correspondente através de uma declaração trimestral periódica, facilmente acessível no portal em linha da AT.
  • Pagar o Imposto para o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS).

Nos arrendamentos de curto prazo, 65% do rendimento é considerado uma despesa, resultando numa tributação de apenas 35% dos montantes facturados. A taxa de IRS varia de acordo com o rendimento mensal e é tabelada por escalões de rendimento.

  • Modelo de entrega 30 relativo aos seus rendimentos no caso de, por exemplo, ter um anúncio do imóvel num site internacional (como AirBnB) e pagar comissões. Nesses casos, deve também pedir à empresa que lhe envie o pedido de retenção total ou parcial do imposto português ao abrigo do acordo de dupla tributação (modelo 21-RFI). Caso contrário, terá de reter 25% do montante pago em comissões;

Para ter a certeza de ter todas as informações correctas para a sua situação específica e de estar em conformidade com todas as obrigações legais, aconselhamo-lo a consultar um contabilista especializado. Nós da Pearls de Portugal podemos ajudá-lo nesta exigência, aconselhando-o aos nossos parceiros profissionais experientes e de confiança.

Calcule o IMT da sua propriedade

* IMT é um imposto sobre transferências onerosas de imóveis em território português.

Este é o preço final que você paga pela propriedade. Se você incluir outros objetos como móveis ou websites na compra, você deve obter um preço separado para eles. Não fazem parte do IMT. 1. Preço da propriedade:

2. Localização:

3. Tipo de propriedade:

IMT para pagar:

€0.00

Imposto de selo:

€0.00

Total do imposto IMT a pagar:

€0.00

Calcular o IMI do seu imóvel

*O IMI é um Imposto Municipal sobre Imóveis que é atualizado e deve ser pago anualmente pelos proprietários de imóveis ou terrenos em Portugal.

O imposto anual é uma simples multiplicação do valor patrimonial tributável (Valor Patrimonial Tributário ou VPT) e da taxa de imposto. O VPT pode ser consultado no registo fiscal (Caderneta Predial) do imóvel. Todos os corretores imobiliários ou vendedores privados precisam de ter este documento. 4. Propriedade VPT:

5. Distrito:

6. Município:

7. Filhos:

IMI a pagar:

€0.00

Simulação de investimento de arrendamento

* Aqui pode simular investimentos para alugueres curtos ou longos por um período de cinco anos.
Os resultados são simulações e devem ser confirmados por advogados especializados ou consultores fiscais. Os resultados são meramente informativos.

8. Custos de renovação:

O arrendamento a longo prazo é o arrendamento normal com base num contrato. Arrendamento de curta duração é arrendamento turístico (alojamento local). 9. Quer fazer arrendamento a curto ou longo prazo?

EVITE MULTAS

As multas para quem não cumprir as regras podem variar consoante se trate de um indivíduo ou de uma entidade jurídica O não cumprimento das regras relativas à chapa de identificação pode levar a uma multa entre 50 e 750 euros para um indivíduo e entre 250 e 7.500 euros para uma entidade jurídica. Quanto aos requisitos de segurança, uma não conformidade resulta numa multa entre 125 e 3.250 euros (1.250-32.500 euros para pessoas colectivas), mas pode atingir um montante máximo entre 2.500 e 4.000 euros para indivíduos, ou 25.000 a 40.000 euros para pessoas colectivas.

COMO TORNAR O SEU ALOJAMENTO LOCAL VISÍVEL E RENTÁVEL

  • Crie o seu site alojamento local

Uma boa maneira de lhe dar visibilidade AL é ter o seu próprio sítio web de LA. Pode fazê-lo por si próprio com um pequeno investimento num tema pré-construído WordPress, compras de nomes de domínio, e alojamento de servidores. Uma vantagem de ter o seu próprio website é que pode criar um canal de venda directa, que responde sem atraso às perguntas do cliente, especialmente nestes tempos marcados pela pandemia. Pode incluir nele uma opção de reserva directa e resolver os seus negócios directamente a partir do seu sítio web. Mesmo assim, requer algum tempo até obter a visibilidade necessária para atrair os seus potenciais clientes.

  • Anuncie em plataformas online alojamento local

Uma forma alternativa de obter mais visibilidade imediata e colocar o seu novo negócio no mapa, bem como ganhar reputação e confiança junto dos clientes, é publicitar o seu alojamento local nas melhores plataformas disponíveis. Reservas, Airbnb, HomeAway, Rentalia, Trip Advisor, e Expedia estão entre as plataformas de publicidade e reserva mais conhecidas. Mas nem todas podem ser as mais adequadas para si. O nosso conselho é que, em primeiro lugar, determine o seu perfil empresarial com base no tipo de alojamento que oferece e no segmento de audiência que pretende atingir. Depois está preparado para decidir qual a plataforma que melhor se adapta a essas necessidades. Mesmo assim, para maximizar o seu alcance, a diversificação é fundamental: considere a publicidade em pelo menos 4 plataformas diferentes, incluindo as de maior alcance, como a Booking, e as mais segmentadas por nicho, como a Vrbo. Mas gere o seu calendário de reservas com cuidado ou poderá acabar por lidar com sobre-reservas (ou reservas no mesmo dia feitas através de diferentes plataformas). É sensato investir num gestor multi-canal.

Embora, em geral, estas plataformas permitam a criação de anúncios gratuitos e o pagamento directamente através dos seus websites ou não, elas cobram comissões. Trata-se de um custo que tem de ser orçamentado no seu negócio.

  • Invista em fotos de boa qualidade

Uma descrição detalhada do imóvel e dos seus arredores é muito importante para informar e atrair clientes, mas ter uma galeria de fotografias de boa qualidade pode levar o seu alojamento local muito longe e diferenciá-lo dos seus concorrentes. Considere contratar um fotógrafo profissional e especializado para captar as melhores características da sua AL da forma mais apelativa. Poderá mesmo adicionar um vídeo profissional para uma experiência virtual mais imersiva.

Como agente imobiliário líder de mercado, nós, no Pearls of Portugal, concedemos-lhe o melhor guia da AL em Portugal. O nosso objectivo é ajudá-lo a encontrar a melhor solução possível para obter um retorno sustentável do seu investimento na compra de casa neste país. Trabalhamos com parceiros profissionais para o ajudar até ao fim, por isso não hesite em pedir a nossa ajuda. Estamos ao seu alcance através de um telefonema ou e-mail.

Agende já uma consulta gratuita com um dos nossos peritos!

How can we help you?

Send us a message

Como o podemos ajudar?

Envie-nos uma mensagem

não perca ofertas ou notícias!

Subscreva a nossa newsletter e não perca as últimas notícias e ofertas!